NUTRIÇÃO ANTI-INFLAMATÓRIA

O número de doenças inflamatórias no mundo está aumentando de forma assustadora e as campanhas de saúde e o conhecimento da medicina atual não estão sendo suficientes para contê-las. Segundo a Organização Mundial de Saúde, as chamadas “epidemias do mundo moderno” (Obesidade, Diabetes, Mal de Alzheimer e Doenças Cardiovasculares) são as doenças que mais matam em todo o mundo e elas têm a mesma causa: Inflamação Celular, que é crônica e por não apresentar dor ao paciente é também conhecida como Inflamação Silenciosa.

Para se ter uma ideia do crescimento dessas doenças, segundo dados do Ministério da Saúde, no Brasil, o número de casos de diabetes aumentou em 54% nos últimos 8 anos. Somente essa doença custa ao SUS anualmente mais de 500 milhões de reais em cuidados médicos, internações, medicações e cirurgias.

 

O que mudou nos últimos 30 anos que vem gerando essa explosão de doenças inflamatórias? Diversos cientistas tentaram responder a essa pergunta nas últimas décadas e somente agora, em 2011, foi que a ciência começou a entender o porque, ano em que o Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia foi concedido a um grupo de pesquisadores que desvendaram os complexos mecanismos bioquímicos da Inflamação Crônica.

 

O mais interessante deste trabalho é que esses processos bioquímicos sofrem interferência direta da nossa alimentação do dia-a-dia. Alimentos considerados por muitos como saudáveis se tornaram grandes vilões do processo inflamatório, e outros que eram desprezados pela Medicina hoje estão ganhando papel central no controle de doenças inflamatórias crônicas.

 

Saiba mais na palestra “Nutrição Anti-Inflamatória” sobre os imbricados mecanismos da Inflamação e como podemos mudar nossa alimentação para a prevenção, controle e combate ao Diabetes, Alzheimer, Obesidade e Doenças Cardiovasculares.