DESCOBERTAS ALARMANTES SOBRE A GORDURA TÓXICA, por Dr. Barry Sears, PhD.

Eu já disse muitas vezes que, se você é gordo, isso pode não ser culpa sua. Uma pesquisa recente vai mais longe para ilustrar este ponto. Em particular, um artigo publicado no Cardiovascular Psychiatry and Neurology (2009;2009:867041) demonstra o que acontece quando você pega camundongos geneticamente idênticos e coloca-os em diferentes dietas durante três gerações. As dietas eram iguais em calorias e gorduras totais, mas apenas diferentes nas proporções de ácidos graxos ômega-6 e ômega-3. Na terceira geração, os ratos em dieta de alto consumo de ácidos graxos ômega-6 foram considerados os mais gordos, apresentando maiores níveis de ácido araquidônico (gordura tóxica) e tiveram mais danos aos seus órgãos.
O que isto significa é que uma mudança aparentemente pequena na dieta pode ter drásticas consequências genéticas. Isto é chamado de epigenética. Ela parece ser a causa subjacente da nossa atual crise de obesidade. Nossas crianças representam a terceira geração de americanos que foram expostos a altas doses de ácidos graxos ômega-6 e baixas doses de ácidos graxos Ômega-3 em suas dietas. Mesmo que o consumo total de gordura permaneça a mesma desde 1960, a obesidade disparou. Estas alterações epigenéticas causadas pela alteração da proporção de ácidos graxos Ômega-3 e Ômega-6 na dieta pode explicar isso. O estudo também sugere que pode demorar mais de três gerações na dieta com consumo de ácido graxo Ômega-3 elevado e de ácido graxo Ômega-6 reduzido para reverter o dano genético existente.
Assim, todos os gritos de “mais exercício e comer menos calorias” dados por nutricionistas podem ter pouco efeito sobre a nossa epidemia de obesidade.